29 de abr de 2011

Para crescer é preciso inovar.




Sem dúvida, nos tempos atuais, inovar para crescer é uma das mais importantes verdades.
Mas, como inovar numa empresa, em um negócio onde tudo permanece igual? Sim, permanece, pois a diretoria manda e a equipe obedece.

Todos conhecemos a expressão: ¨- Você não é pago para pensar, é pago para trabalhar!¨ Porém, a verdade é que muitas pessoas não sabem realmente pensar, mas sabem operacionalizar muito bem (porque nunca foram estimuladas a criar). São pessoas que foram educadas para obedecer bem ao chefe: excelentes funcionários cumpridores de ordem.

Conheço empresas que estimulam a criatividade, querem que os funcionários assumam riscos. Mas... desde que NÃO cometam erros!

Imagine se você irá correr riscos, irá pensar fora do “quadrado” sem o amparo da direção, da gerência. Antes de assumir riscos, primeiramente você deverá ser um bom estrategista, saber sobre o quê e como opinar, quais os resultados a buscar e principalmente, saber conquistar e buscar o apoio de seus superiores, colegas e subordinados na organização. Sem estes apoios, praticamente todo e qualquer projeto ou proposta de melhoria para inovação, sucumbirá, e você será crucificado.

Pergunto então: para você, de quem é a responsabilidade de inovar numa empresa? Do dono, presidente, gerente? Ou dos colaboradores?

Gente, a responsabilidade é de todos envolvidos na empresa! Me refiro ao capital humano, sejam subordinados ou alta direção. Entretanto, são buscados modelos e soluções complexas, modelos prontos sem observar a cultura da empresa. Tais modelos acabam não vingando, sendo muitas vezes boicotados pelos próprios funcionários, e fatalmente abortados pela direção. Investimento e tempos perdidos... E se isso já não fosse muito, ainda vem o descrédito dos colaboradores: - mais uma tentativa que não deu certo...- já sabíamos no que iria dar...

O que não se tem feito é dar valor a algo extremamente simples e ao alcance das empresas e seus gestores: a efetiva mobilização interna das equipes em busca de ações visando a inovação, ou seja, a sugestão de ações inovadoras por parte daqueles diretamente envolvidos no dia-a-dia da empresa.

As empresas precisam pensar num planejamento estratégico para o SER humano, aquele que toca a empresa no dia-a-dia. Não falo em benefícios financeiros. Falo em buscar a inteligência que está nas equipes, falo na capacidade de garimpar idéias, soluções, melhorias para que a empresa realmente inove, para que sobreviva no mundo competitivo dos negócios.

Saímos recentemente de uma crise mundial, estamos ainda juntando as cinzas da mesma e com certeza precisamos preparar as empresas para as demais crises que virão. Nem pense em descansar, pois estará perdendo um valioso tempo, e num mundo tão competitivo, 30 dias de relax poderão lhe custar 30 meses de recuperação.

O melhor investimento ainda é o capital humano, mas isso precisa sair do discurso e ir para a prática dentro das empresas.

Pense nisso, mobilize a sua equipe e obtenha inovação hoje mesmo.

Autor: Christiano Wide